Relacionamento ao meu ver, por Arnaldo Jabour




Sempre acho que namoro, casamento, romance, tem começo, meio e fim. Como tudo na vida. Detesto quando escuto aquela conversa:
"- Ah, terminei o namoro..."
"– Nossa, estavam juntos há tanto tempo..."
"– Cinco anos... que pena... acabou..."
"– É... não deu certo..."
Claro que deu! Deu certo durante cinco anos, só que acabou.
E o bom da vida, é que você pode ter vários amores.
Não acredito em pessoas que se complementam. Acredito em pessoas que se somam.
Às vezes você não consegue nem dar 100% de você para você mesmo, como cobrar 100% do outro?
E não temos essa coisa completa.
Às vezes ela é fiel, mas é devagar na cama.
Às vezes ele é carinhoso, mas não é fiel.
Às vezes ele é atencioso, mas não é trabalhador.
Às vezes ela é muito bonita, mas não é sensível.
Tudo junto, não vamos encontrar.
Perceba qual o aspecto mais importante para você e invista nele.
Pele é um bicho traiçoeiro.
Quando você tem pele com alguém, pode ser o papai-com-mamãe mais básico que é uma delícia.
E às vezes você tem aquele sexo acrobata, mas que não te impressiona...
Acho que o beijo é importante... e se o beijo bate... se joga... se não bate... mais um Martini, por favor... e vá dar uma volta.
Se ele ou ela não te quer mais, não force a barra. O outro tem o direito de não te querer.
Não brigue, não ligue, não dê piti.
Se a pessoa está com dúvidas, problema dela, cabe a você esperar... ou não.
Existe gente que precisa da ausência para querer a presença.
O ser humano não é absoluto. Ele titubeia, tem dúvidas e medos, mas se a pessoa REALMENTE gostar, ela volta.
Nada de drama.
Que graça tem alguém do seu lado sob chantagem, gravidez, dinheiro, recessão de família?
O legal é alguém que está com você, só por você.
E vice-versa.
Não fique com alguém por pena.
Ou por medo da solidão.
Nascemos sós. Morremos sós. Nosso pensamento é nosso, não é compartilhado.
E quando você acorda, a primeira impressão é sempre sua, seu olhar, seu pensamento.
Tem gente que pula de um romance para o outro.
Que medo é este de se ver só, na sua própria companhia?
Gostar dói.
Muitas vezes você vai sentir raiva, ciúmes, ódio, frustração... Faz parte.
Você convive com outro ser, um outro mundo, um outro universo.
E nem sempre as coisas são como você gostaria que fosse...
A pior coisa é gente que tem medo de envolver-se.
Se alguém vier com este papo, corra, afinal você não é terapeuta.
Se não quer se envolver namore uma planta. É mais previsível.
Na vida e no amor, não temos garantias.
Nem toda pessoa que te convida para sair é para casar.
Nem todo beijo é para romancear.
E nem todo sexo bom é para descartar... ou se apaixonar... ou se culpar...
Enfim... quem disse que ser adulto é fácil???
Com o tempo, me dei conta que possuía uma estrela guia e me deixei levar por ela, então descobri que podia chegar aonde chegava à luz que eu irradiava.
Entendi que era normal confundir anjos e amigos, já que cada um ocupava o lugar necessário, quando eu precisava de ajuda, sem que eu notasse a diferença.
Aprendi que quando fugia dos meus medos, eles cresciam e se tornavam maiores que minha coragem, assim eu os derrotei encarando de frente.
Com o tempo observei que a ternura é uma planta que floresce independente da aridez do solo, da estação e das chuvas, basta apenas espalhar as sementes.
Entendi que ouvir segredos de amigos é um privilégio, zelar por eles é uma obrigação e ser fiel é o que nos torna leais e confiáveis, independente dos riscos.
Aprendi a não avaliar dores alheias e nem comparar as minhas, um adeus pode simbolizar uma partida ou a morte da esperança, depende de quem se perde.
Com o tempo deduzi que poderia vir a ser o que quisesse se confiasse em minha imaginação e mantivesse minhas imagens claras e nítidas, até ganharem vida.
Entendi que o amor Divino não proporciona apenas benefícios, mas apresenta grandes dificuldades para que através delas eu possa me tornar uma pessoa melhor a cada dia.
Aprendi que cada despertar me é dado como uma nova chance para corrigir erros e aperfeiçoar o meu espírito para que eu deixe exemplos a serem seguidos.
Com o tempo conclui que sou apenas uma lagarta debatendo dentro de um casulo até que a metamorfose aconteça e me transforme em borboleta, ganhando asas de liberdade.